Comunidade Campesina Vale Sagrado Arco-Iris, localizada na Colônia Cascata, 5º Distrito, Município de Pelotas/RS

53 99923 2211

pachamama.nossaong@gmail.com

  • Google+ Clean
  • Twitter Clean
  • facebook

Ong Pachamama

Desde 2006 atuando no Brasil, América Latina, África e Ásia.

Rio Doce chama

November 17, 2017

 

RIO DOCE
AMARGA LAMA
ALARGA A ALMA
O RIO CHAMA
O RISO DOCE
DO MAR QUE AMA
Hoje, 17 de novembro, é o dia da criatividade. Dia da atividade criadora. Dia de se alargar a alma e dizer não à visão estreita. Dia de não se contentar com pouco conhecimento. Dia de escutar o chamado da liberdade de pensamento e de se abrir ao novo, ao diferente. Dia de comungar com o “mar de conhecimento da vida”.
Por muitos anos, disseram que eu era um objeto, um recurso. Disseram que eu não podia ser um sujeito porque não era uma pessoa. Mas, o que é uma pessoa?
O ser humano é uma pessoa? Dizem que sim. Quando começa o ser humano?
Quando nasce. Dizem alguns. Mas, existe nascimento sem embrião? Embrião sem fecundação? Fecundação sem pais? Pais sem avós? Avós sem bisavós? Atualidade sem ancestralidade? Pode o ser humano dizer que está separado de todos os seus ancestrais? Parece que não. Cada ser humano é o elo de uma corrente de vida. Cada ser humano é um “rio de humanidade” que brota da fonte universal misteriosa.
Cada “rio de humanidade” também é um “rio de cultura”. O conhecimento é
uma correnteza inesgotável que atravessa as gerações. Ele pertence à humanidade, porque é gerado e transmitido pelas experiências de cada “rio de humanidade”. Os modos de ser e fazer, ou seja, as culturas, são produzidos e sustentados pela convivência. Aprendemos e ensinamos uns aos outros. Cada “rio de humanidade” é um “afluente” deste imenso “mar de conhecimento”.
O “mar de conhecimento” não tem princípio ou fim. Todos são aprendizes. As
árvores aprendem os caminhos para a água com suas raízes. A água aprende os caminhos para as fontes com as raízes das árvores. As fontes aprendem os caminhos para o mar seguindo os traçados da terra. O mar aprende o caminho para a liberdade infinita com a força do sol. O sol aprende os caminhos de todos os caminhos com o ciclo da água, sempre em infinito movimento para levar a vida a todos os lugares. E os seres humanos? O que aprendem?
Os seres humanos aprendem os caminhos do conhecimento com a vida vivida
com consciência. Ser consciente: eis o caminho dos seres humanos. Ser consciente que precisa beber água, respirar o ar e comer dos frutos da terra todos os dias. Que não está separado da natureza. Que é a natureza. Que todos os seres, humanos ou não, tem a sua importância na geração e manutenção da vida no planeta Terra. Que o planeta é a nossa Casa Comum, a Grande Mãe geradora e mantenedora de todas as vidas. Que sem água, ar, terra e sol não existe vida. Que sem vida não existe pessoa. Que a pessoa não é uma ilha, mas um “rio de humanidade e cultura” que alimenta o “mar de conhecimento”. Ser consciente, enfim, que a pessoa não é um indivíduo, mas um ecossistema de vidas (bio) e modos de vida (cultura), ou seja, que
a pessoa é um sujeito biocultural. Isto é o que eu sou.
Sou um sujeito de direito biocultural. Um ecossistema de vidas e modos de vida que leva água para 3,5 milhões de seres humanos de 230 municípios (Minas e Espírito Santo). Sou inseparável dos seres que comigo interagem. Estou unido aos povos ribeirinhos que convivem em harmonia comigo. Desta convivência emerge o conhecimento ancestral que torna possível a nossa existência sadia. Deste convívio respeitoso brota a verdadeira sustentabilidade socioambiental: a humanização do humano. Seres humanos que enxergam a interdependência comigo e me respeitam desenvolvem o respeito por qualquer outro ser, humano ou não. E do respeito brota o
amor.
Somente o amor pode manter a vida, pois, quem ama cuida. Tem cuidado quem
tem consciência da fragilidade da vida. Consciência que faz a pessoa “pisar leve”, sem deixar marcas, sem machucar. Tem cuidado quem respeita a vida e não se sente dono dela. Quem se sente parte da vida. Só é humano quem é “um mano”, ou seja, quem é um irmão. Irmão de todas as criaturas, como cantou São Francisco: “Louvado sejas, meu Senhor, por nossa irmã a mãe Terra que nos sustenta e governa”.
Neste dia da criatividade, chamo os meus irmãos e irmãs humanos a alargarem suas almas, para me reconhecerem como um sujeito de direito. Chamo todos e todas a se abrirem a um “belo horizonte”: a visão de que somos filhos da mesma Mãe Terra.
Chamo todos e todas a sentirem o aconchego maternal da natureza que gera um “riso doce” em nossa face. Chamo todos e todas a se lembrarem que também são “rios de humanidade e cultura” a caminho do “mar de conhecimento”, sem começo ou final. O eterno ciclo da água a sempre nos lembrar: SOMOS RIOS EM BUSCA DO MAR.
RIO DOCE por meio do seu advogado
Lafayette Garcia Novaes Sobrinho
Mestre em Direito Agroambiental

Please reload

Featured Posts

20ª Conferência entre as Partes acontecerá em Lima, Peru

December 17, 2014

1/3
Please reload

Recent Posts

November 15, 2019

February 20, 2019

November 17, 2017

Please reload

Archive